O que é planejamento tributário e como fazer?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Para garantir que tudo esteja bem na empresa e manter as finanças sob controle, é fundamental ter cuidados com os aspectos tributários. A carga tributária no Brasil é uma das mais altas do mundo e ainda constitui uma importante obrigação a ser cumprida pelas empresas.

Para evitar problemas nesse sentido, é aconselhável fazer o planejamento tributário. Ele é uma ferramenta bastante eficaz no combate à sonegação fiscal e ao pagamento exagerado de tributos.

Quer saber como realizar esse planejamento com eficácia em sua empresa? Continue a leitura e confira!

Entenda o que é planejamento tributário

O planejamento tributário consiste em um conjunto de normas legais (de natureza administrativa ou judicial) que contribuem para reduzir o pagamento de tributos. É um direito de toda organização procurar meios lícitos de pagar menos impostos, taxas e contribuições, estruturando melhor o negócio e direcionando mais capital de giro para melhorias na própria empresa.

Para efetuar um planejamento tributário eficiente, é fundamental conhecer bem cada tributo que é pago e as operações a ele relacionadas, bem como fazer constantes diagnósticos corporativos que ajudarão a determinar valores relativos a faturamento, lucros, despesas e custos.

Veja a diferença entre elisão fiscal e evasão fiscal

Elisão fiscal é a possibilidade legal de pagar menos tributos, fundamentando-se em tudo o que diz a legislação (ou naquilo que ela não define como ilegalidade — tudo que não for proibido pela lei pode ser praticado).

Entre as práticas lícitas para pagar menos tributos, estão a recuperação de créditos tributários e a divisão de uma única empresa em duas, com a finalidade de pagar menos tributos por meio de dois regimes tributários diferentes (por exemplo, uma empresa somente para prestar serviços e outra somente para comercializar).

Evasão fiscal, por outro lado, é o pagamento de menos tributos usando meios ilícitos, condenados pela legislação. É o que se chama de sonegação fiscal, que pode comprometer a competitividade e a própria existência da empresa.

As formas mais conhecidas de evasão fiscal são:

Saiba mais sobre os tributos que você tem pela frente

Para efetivar um planejamento tributário eficiente, é necessário seguir algumas etapas, sendo que a primeira delas é conhecer bem os tributos que devem ser pagos. São eles:

  • Programa de Integração Social (PIS), cuja alíquota varia entre 0,65% e 1,65%, variando conforme o regime tributário e a mercadoria comercializada;
  • Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS), cuja alíquota varia entre 3% e 7,6%, dependendo do regime tributário e da mercadoria comercializada;
  • Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), cuja alíquota é de 15%;
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), cuja alíquota é de 9%;
  • Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS patronal), cuja alíquota é de 20% para as empresas que não são optantes do Simples Nacional;
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), cuja alíquota varia entre 0% a 300% (esse tributo incide quando a mercadoria sai da indústria);
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cuja alíquota varia de acordo com o Estado em que a empresa está situada e/ou realiza negócios (as alíquotas interestaduais mais comuns são 7%, 12%, 18% e 35% para mercadorias nacionais e 4% para alguns produtos importados);
  • Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), cuja alíquota depende do município, variando entre 2% e 5%.

Descubra como efetuar um bom planejamento tributário

Neste tópico, vamos mostrar como efetuar um bom planejamento tributário. Vamos lá?

Escolha o melhor regime tributário

Anualmente, o gestor tem o direito de escolher um regime tributário para sua empresa e essa escolha pode ajudar ou atrapalhar as finanças do negócio. São regimes tributários: Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional.

O Lucro Real é um regime em que todas as receitas da empresa são consideradas, havendo também a possibilidade de deduzir despesas. Trata-se de apurar o lucro líquido do negócio. É um regime recomendado principalmente para as empresas que apresentam prejuízo, com gastos muito altos,  e obrigatório para grandes empresas, Regime não cumulativo, permite a recuperação de créditos tributários.

O Lucro Presumido é um regime mais simplificado quando comparado ao Lucro Real. A apuração do IRPJ e da CSLL é trimestral. O limite de receita bruta total para optar por esse regime é de até R$ 78 milhões em relação ao ano-calendário anterior. Regime cumulativo, não permite recuperar créditos tributários.

O Simples Nacional é um regime facultativo, que pode ser adotado por empresas de pequeno porte (EPP) e microempresas (ME). Para adotar esse regime, a empresa precisa respeitar certos limites de faturamento:

  • ME: máximo de R$ 360 mil ao ano;
  • EPP: máximo de R$ 4,8 milhões ao ano.

Com o auxílio de uma guia única de recolhimento (DAS), a empresa recolhe seus tributos federais (IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, IPI, CPP),  Em alguns casos, a partir de 2018, o ICMS e o ISSQN passaram a ser recolhidos separadamente. Há redução de encargos trabalhistas, pois a empresa fica dispensada de pagar os 20% do INSS patronal sobre a folha de pagamento. O regime não permite a recuperação de créditos tributários. Algumas atividades são vedadas de optar pelo Simples Nacional.

Tenha foco e organização

A contabilidade fiscal bem organizada é essencial para quem deseja manter a empresa em ordem. As boas práticas devem ser mantidas e as obrigações, como DARF, DAS, DAE, DARJ, GNRE e outras, devem ser pagas pontualmente.

A tecnologia desenvolve um relacionamento mais transparente com a Receita Federal, estadual e municipal, especialmente por meio do envio de informações via SPED. Contadores qualificados (próprios ou terceirizados) são fundamentais para a organização contábil e fiscal do negócio.

Diminua o valor de tributos

Tome iniciativas que contribuam para reduzir o percentual de tributação cobrada. O enquadramento no Simples Nacional pode ajudar muitas empresas a pagarem menos tributos. Por outro lado, boa parte das empresas prestadoras de serviço (incluindo as menores) conseguem pagar menos tributos adotando o Lucro Presumido. É imprescindível fazer um estudo para definir o planejamento tributário da empresa.

Não antecipe o pagamento de tributos

Por causa da inflação, todas as vezes em que o pagamento tributário é adiado sem a incidência de multa, há um ganho real maior sobre o capital, já que a empresa pode aplicá-lo por um período maior, antes do vencimento. Mas nunca deixe para pagar depois do vencimento!

Para saber quando pagar sem sofrer prejuízos, o planejamento tributário é de fundamental importância, pesando as vantagens e os riscos.

Conheça bem sua empresa

É preciso conhecer bem seu próprio negócio, avaliando questões como:

  • os produtos e serviços oferecidos;
  • a expectativa de faturamento;
  • o valor da folha de pagamento;
  • a margem de lucro;
  • as despesas e os custos.

Saber quais os planos da empresa para médio e longo prazo favorece a melhor tomada de decisões, principalmente em relação à escolha do melhor regime tributário e às diferentes formas de lidar com a carga tributária ao longo do tempo.

Entendeu a importância do planejamento tributário? Tem tido dificuldades de realizá-lo em seu negócio? Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar você nesse processo!

Confira também:

https://materiais.contabilrio.com.br/guia-imposto-a-recuperar-e-recolher

Compartilhe nas redes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CADASTRE-SE EM NOSSA

NEWSLETTER

Receba nossos Artigos no seu e-mail!

Basta preencher o formulário abaixo para ficar por dentro de tudo que preparamos para sua educação corporativa.

Recomendado!
As demonstrações contábeis são um conjunto de relatórios elaborados pela contabilidade da…
Open chat
Powered by